1. O que é linfedema?

O linfedema é uma doença crónica, ainda sem cura, que pode manifestar-se em qualquer idade e em qualquer parte do corpo. O linfedema resulta de uma falha no sistema linfático e torna-se visível porque a acumulação, ou não absorção, da linfa forma um edema/inchaço.


2. O que é sistema linfático?

Contrariamente ao sistema circulatório, o sistema linfático, não é fechado e é uma rede muito complexa que se distribuiu por todo o corpo, sendo um importante componente do sistema imunológico.
O sistema começa com pequenos vasos linfáticos (os capilares linfáticos) nos tecidos do corpo e continua com vasos linfáticos  de cada vez maior dimensão (colectores e troncos) que acabam por se ligar à componente venosa do sistema circulatório sanguíneo


3. O que é linfa? 

A linfa (do latim água nascente/pura) é um liquido incolor que, contrariamente ao sangue não coagula e que é transportada pelos vasos linfáticos em sentido unidirecional. A linfa é responsável pelo eliminação de impurezas que as células produzem e depende do impulso externos para poder circular (o movimento dos músculos, os movimentos respiratórios, os movimentos intestinais, as massagens são alguns dos movimentos que são impulsionadores da linfa) 

4. Quais os tipos de linfedema?


Linfedema Primário - diz-se que um linfedema é primário quando não há nenhuma causa exterior definida. As causas são, na maioria das vezes, uma malformação dos vasos linfáticos ou dos gânglios linfáticos, ou a total ausência de vias linfáticas.


Linfedema secundário – os linfedema secundários mais conhecidos são os que ocorrem pós mastectomias. No entanto, qualquer outra cirurgia que possa causar lesões nos vasos linfáticos pode levar à formação de um linfedema. 
As inflamações que permitem mais formação de líquidos do que as vias linfáticas conseguem transportar ou as lesões causadas por radiação, em que as paredes dos vasos linfáticas aderem entre si, são outros exemplos do que pode interferir no sistema linfático e que pode originar  linfedema. 


5. Quais são os sinais/sintomas do linfedema?

Poderá começar a notar algum inchaço nas suas mãos, pernas, braços, ou numa outra parte do corpo. Esse inchaço, que é menos visível pela manhã, torna-se mais presente ao longo do dia. O seu braço, por exemplo, fica cada vez mais pesado e pode sentir dificuldade em fazer uma simples atividade diária. Ou então as suas pernas e pés terão dificuldade em caminhar, em calçar os seus sapatos. Pode começar a ter dificuldade em encontrar roupa que, sendo do seu número, não se ajusta a uma determinada parte do seu corpo. 


6. Implicações do linfedema na vida laboral

A evolução do linfedema origina dores, cansaço e dificuldade de mobilização dos membros afetados o que limita a atividade laboral e a qualidade de vida dos portadores da doença



7. Quais as formas de tratamento e prevenção

O objetivo é reduzir a extensão do linfedema na zona afetada por isso a forma de tratamento passa pela drenagem linfática manual. 
A drenagem linfática manual poderá ser aplicada por vários métodos e efetuada por técnicos de saúde. A drenagem linfática aumenta a capacidade de transporte da linfa pelo sistema linfático.
A aplicação das ligaduras de compressão, após a drenagem, 
O uso de meias ou mangas de compressão
Os exercícios complementares (Tai-Chi, Chi-Kung Terapêutico, Nordic Walking, entre outros) 
Nota: a manutenção dos tratamentos é fundamental para a não instalação ou desenvolvimento do linfedema

8. Que precauções ter?

Limpe a pele e aplique sempre um creme com pH neutro. 
Cuidados com as unhas, tenha atenção para não magoar o sulco ungueal. Se tiver linfedema nos membros inferiores procure um podologista.
Não use desodorizantes na zona do linfedema.
Não faça acupuntura
Não faça tatuagens
Use roupa pouco apertada e calçado confortável e sem saltos.
Evite esfolar-se ou cortar a pele, sofrer picadelas, arranhões e mordidas de animais domésticos (mesmo pequenas lesões nos membros afetados podem trazer consequências graves a pacientes com linfedema. Pode aparecer erisipela).
Evite o stress (em situações de stress, os vasos contraem-se. Resultado: os edemas podem piorar consideravelmente).
Prescinda de viagens para zonas quentes, subtropicais
              leia aqui

Temos de seguir os passos da Leonor! (ver video aqui)