O Lipedema é uma doença pouco conhecida sendo confundido muitas vezes com a obesidade. Sabe-se, no entanto, que é uma anomalia do tecido gordo, que se caracteriza por uma acumulação crónica, progressiva e simétrica de gordura no tecido subcutâneo dos membros. Ocorre quase que exclusivamente nas mulheres, tornando-se visível ao nível das ancas e das pernas que aumentam de volume, com uma proporção desenquadrada do resto do corpo, associado a dor, a “nódoas negras” espontâneas, dor ao tocar, sobretudo nas pernas, e a varizes. Pode também atingir os braços, mas, ao contrário dos linfedemas, não atinge os pés. 

Não se conhece a causa do lipedema, mas sabe-se que é uma doença da célula gorda (com repercussões linfáticas e venosas) e que está associada a causas hereditárias e hormonais. As alterações tornam-se mais visíveis na puberdade, atingindo, no entanto, uma maior expressão a partir dos 35 anos. 

O exercício físico e a dieta podem conduzir a perda de peso, que é um factor importante. Mas nos doentes com lipedema, o tamanho das ancas e pernas permanece desproporcional em relação ao resto do corpo. 

Há vários tratamentos que podem ser feitos para o não agravamento da doença e para prevenir a sua evolução (drenagem linfática manual, é um exemplo). 

A lipoaspiração (lipossucção), com técnicas próprias para esta doença, pode ser uma intervenção cirúrgica a ser seguida, com melhoria significativa da sintomatologia desta patologia.

                      Texto: EAV-L | Estudos Artério Veno-Linfáticos

fazer o download do folheto aqui